Sobre as causas do atraso científico em Portugal - Uma digressão histórica

Autores

Luís Miguel Bernardo
Faculdade de Ciências, Universidade do Porto

Resumo

O atraso científico que se verificou em Portugal desde o século XVII é um facto quase unanimemente reconhecido. Para o explicar, muitos pensadores e analistas, nacionais e estrangeiros, sugeriram as mais variadas causas reais ou imaginárias. Algumas estão ligadas a atributos pessoais, de caráter endógeno ou exógeno; outras a condicionalismos geopolíticos ou a fatores económico-financeiros. Duvidou-se da capacidade intelectual e do engenho dos portugueses; depreciou-se a sua aptidão para o trabalho, perseverança e reflexão; inventaram-se desconformidades entre atividades dependentes da emoção e da razão. Houve quem opinasse, sabiamente, que o atraso se devia ao desinteresse votado à ciência pelos portugueses e seus governantes, o que justificava a iliteracia científica generalizada, a pouca importância atribuída ao saber e o pouco investimento nacional na investigação científica. Da leitura deste livro, que aborda detalhadamente todos estes temas, facilmente se conclui que o atraso científico em Portugal não se deveu a causas inevitáveis ou a um singular e fatal destino, mas apenas a circunstâncias desfavoráveis que poderiam ter sido alteradas pela vontade dos portugueses. Se o progresso económico-social é um objetivo nacional, é indispensável que se reconheça a importância fundamental da ciência e se atribua à investigação científica o justo lugar que deve ocupar entre as infraestruturas nacionais mais reconhecidas e valorizadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luís Miguel Bernardo, Faculdade de Ciências, Universidade do Porto

Luís Miguel Bernardo licenciou-se em Engenharia Electrotécnica na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e obteve os graus de Mestrado e Doutoramento em Física na Universidade Virginia Tech nos EUA. Foi membro do Departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto onde ensinou, investigou e exerceu atividades administrativas até à sua aposentação como professor catedrático em 2012. Realizou investigação em áreas como processamento óptico, holografia, óptica não linear e ultrarrápida. Interessou-se pelas aplicações óticas na medicina e indústria, pela museologia bem como pela  história e divulgação da ciência. Foi diretor do Museu de Ciência da Universidade do Porto de 2004 a 2015. É autor e coautor de numerosos artigos científicos. Escreveu textos didáticos e é coautor de duas patentes e de catálogos de exposições: Dois Séculos — instrumentos científicos na história da Universidade do Porto (2011) e 250 Anos da Criação da Aula Náutica do Porto (2012). É autor dos livros Histórias da Luz e das Cores (3 vols., 2005-2010), Cultura Científica em Portugal: Uma perspectiva histórica (2013) e Visão, Olhos e Crenças (2018), Luz, Vida e Saúde (2020).

Capa para Sobre as causas do atraso científico em Portugal - Uma digressão histórica
Publicado
July 15, 2021